Casa personalizada: como a construtora pode atender seus desejos?

Muitos brasileiros sonham em construir uma casa personalizada, afinal, poucas coisas são tão satisfatórias quanto a sensação de viver em um imóvel projetado para atender, de forma completa, todas as suas necessidades e as de sua família.

Infelizmente a falta de informações acaba por levar muitas pessoas a desistirem deste objetivo por acreditarem que ele é muito difícil de ser alcançado, o que com toda a certeza não é verdade. Embora gerir uma obra de fato seja uma tarefa complexa, ela pode ser executada por construtoras especializadas, prontas para construir o imóvel ideal para seu cliente e sua família.

Seu sonho é viver em uma casa personalizada e desfrutar dos recursos que ela pode oferecer? Continue a leitura e descubra como uma construtora pode ajudar você a realizar este desejo!

Projeto personalizado

Mesmo que muitas pessoas tenham o sonho de morar em uma casa personalizada, não são raras as vezes em que este sonho é um pouco vago, por assim dizer, de modo que, tirando alguns detalhes como uma piscina ou um jardim, por exemplo, não existe uma imagem clara de como o imóvel ideal deveria ser.

Embora à primeira vista essa situação não aparente ser grave, ela pode gerar uma série de problemas. Afinal, sem uma ideia clara o projeto pode ser feito de modo aleatório, o que reduz as chances de que a casa construída de fato seja o imóvel dos sonhos de seus moradores.

Uma construtora, por sua vez, conta com profissionais qualificados para ouvir os anseios de seus clientes e assim produzir para eles um projeto realmente alinhado às suas necessidades e interesses. Como o objetivo final do projeto é permitir a criação do imóvel ideal, ele só será aprovado quando atender todos os requisitos exigidos por seus futuros moradores.

Portanto, ao contratar uma construtora, os futuros moradores da casa personalizada contam uma garantia de que todos os detalhes do novo imóvel foram construídos pensando em sua comodidade.

Decoração

Entre os aspectos que tornam uma casa confortável, a decoração pode ser considerada um dos mais importantes. Afinal, é justamente ela a grande responsável por deixar uma casa com a cara de seus moradores.

Com o auxílio de uma construtora, uma pessoa tem acesso a uma infinidade de ideias para decorar sua casa personalizada. Ela pode definir mais facilmente detalhes importantes como o tipo de janela, a pintura das paredes, o piso, o modelo de piscina, entre outros.

Ao definir estes detalhes com a construtora, eles já serão incluídos no projeto da casa, o que torna sua implementação muito mais simples.

Segurança

Outro ponto importante a ser considerado antes de se construir um imóvel, seja ele personalizado ou não, é a segurança. Uma vez que um erro estrutural pode reduzir a durabilidade de uma construção, colocando em risco as pessoas que a habitam, uma série de medidas devem ser tomadas para que tais erros sejam evitados.

É justamente por este motivo, para garantir que a construção de uma casa siga todos os procedimentos adequados, que existe uma regulamentação responsável por definir quais práticas devem ser adotadas. Dentre estes regulamentos, um dos mais importantes é a obrigatoriedade de um Engenheiro, ou Arquiteto, para acompanhar a obra.

Apesar desta lei, infelizmente a prática de construir imóveis, sem a presença de um profissional responsável, ainda é comum no Brasil. Uma situação que abre espaço para uma série de acidentes.

Uma construtora especializada, por sua vez, conta com um quadro de profissionais qualificados, o que significa que os imóveis, edificados por ela, atendem a todos os requisitos de segurança.

Sustentabilidade

Conforme o acesso a informações se torna mais fácil, as pessoas começam a entender melhor o mundo que as rodeia e assim conseguem não apenas identificar graves problemas, mas também os meios de solucioná-los. É interessante ressaltar que este conceito pode ser aplicado até mesmo na construção de uma casa personalizada.

Não é exatamente uma novidade que o ser humano precisa fazer um uso mais inteligente de seus recursos naturais. Um dos caminhos para aderir a esta causa é viver em uma casa que não cause danos ao meio ambiente, ou seja, uma casa sustentável.

Para que uma casa seja considerada sustentável, seu projeto deve privilegiar a proteção do meio ambiente e o uso inteligente dos recursos naturais. Para que este resultado seja possível, algumas medidas devem ser adotadas. Dentre elas, podemos citar a implementação de sistemas hidráulicos e elétricos projetados para evitar o desperdício de água e energia elétrica.

Outra característica marcante de uma casa sustentável e a utilização de janelas projetadas para permitir a maior entrada possível de luz natural, o que também se reflete em menos gastos com energia elétrica.

Por meio de uma construtora, a pessoa interessada em construir uma casa sustentável tem acesso não apenas à mão de obra especializada, tanto no projeto quanto na construção de casas ecológicas, mas também a uma garantia de que todos os materiais utilizados têm origem legal e contam com as devidas certificações.

Custos

Quando falamos na construção de uma casa personalizada, um dos fatores mais importantes é o custo. Afinal, é preciso que a edificação do imóvel se encaixe no orçamento de seu futuro proprietário.

A grande questão é que, quando a obra é realizada por profissionais avulsos, sem o apoio de uma construtora, o controle de gastos se torna uma tarefa muito mais complexa. Um dos motivos deste problema é que, sem uma gestão de obras especializada, as chances de que os materiais sejam usados de modo inadequado aumentam drasticamente, o que se reflete em desperdícios.

Uma construtora, porém, conta com todo um know-how tanto no uso quanto no armazenamento de materiais. Além disso, via de regra a empresa costuma contar com parcerias com fornecedores, que lhe oferecem melhores condições.

Contratar de forma avulsa cada funcionário para obra também tende a ter mais custos, tanto em recursos, com no dinheiro necessário para os salários, quanto em tempo, com tempo gasto monitorando se os trabalhos estão sendo executados corretamente. Ao contratar uma construtora, porém, ela fica responsável por estas tarefas.

Por meio de uma construtora, uma pessoa pode ter acesso a um imóvel totalmente adaptado às suas necessidades. Mas antes de contratar uma empresa para executar a obra, é importante pesquisar seu histórico e, se possível, conversar com antigos clientes dela. Estes cuidados são importantes para garantir que a construtora de fato é qualificada.

Agora que você entende como uma construtora pode ajudar você a realizar seu desejo de construir uma casa personalizada, gostaria de contar com os serviços de uma empresa conhecida por sua competência e seriedade? Entre em contato conosco e descubra os diferenciais da Misorelli Engenharia.  

Confira 4 dicas para juntar dinheiro para comprar o seu imóvel!

Você está começando a pensar em investir em um imóvel, mas ainda não sabe bem como juntar dinheiro para alcançar esse objetivo? Em um primeiro momento, pode parecer muito difícil conseguir economizar, em meio a tantas despesas e prioridades. Mas saiba que, se controlar bem o seu orçamento e traçar objetivos mais claros, verá que o sonho da casa própria não está tão distante.

Neste post, separamos 4 dicas essenciais para quem está planejando a compra do primeiro imóvel. Com elas, você poderá ter uma boa ideia de quando será possível adquirir uma casa ou apartamento, elaborando um planejamento financeiro e economizando o que for possível mensalmente para conquistar esse objetivo. Vamos lá?

1. Organizar o orçamento

Se você ainda não começou a controlar as suas finanças, saiba que esse deve ser o primeiro passo para a sua organização em busca da compra de um imóvel. Você pode usar anotações em um caderno, planilhas no computador ou, de um jeito mais moderno e prático, aplicativos para gestão financeira.

O importante é que você comece a anotar todo o dinheiro que entra e que sai da sua conta, especificando os gastos e, se possível, dividindo-os em categorias, como despesas fixas (aluguel, condomínio, mensalidade escolar etc.) e variáveis (lazer, viagens, alimentação etc.).

2. Reduzir despesas fixas e variáveis

Depois de anotar os gastos, será mais fácil descobrir quanto realmente sobra por mês e quais despesas poderão ser cortadas ou reduzidas. É hora de economizar, efetivamente. Um bom começo é analisar os custos fixos:

  • É possível reduzir o valor do aluguel (mudando-se para um lugar mais barato)?
  • Como diminuir a conta de energia?
  • Há como trocar os planos de internet, celular e TV a cabo por outros mais baratos?

Já as despesas variáveis podem ser mais fáceis de ser reduzidas. Um bom exemplo é a alimentação fora de casa. Nessa situação, você pode optar por preparar os alimentos e levar marmita ao trabalho, reduzir as saídas para tomar café, trocar a ida a bares e restaurantes por encontros com os amigos em sua residência, entre outras.

3. Evitar novas dívidas

Se você tinha contas a pagar, o ideal é quitá-las o quanto antes para que elas não se misturem com os gastos da compra do imóvel. Para isso, você pode tentar antecipar o pagamento de parcelas negociando as taxas de juros, por exemplo.

Depois da quitação desses débitos, é fundamental controlar os impulsos e não fazer novas dívidas. Lembre-se de que a aquisição do imóvel é um investimento importante e que terá custos altos, que deverão caber em seu orçamento. Além disso, no caso de financiamento imobiliário, você deverá estar com nome limpo.

4. Fazer investimentos

Se você conseguiu seguir todos os passos até aqui, então já sabe quanto poderá economizar mensalmente. Mas você não pode deixar o dinheiro parado: primeiro porque há o risco de gastá-lo e segundo porque o ideal é que ele renda até a hora da compra do imóvel.

Sabemos que a poupança nem sempre é a melhor opção, pois os juros estão baixos. Portanto, pense em conversar com alguém que possa assessorá-lo e indicar as melhores aplicações, de acordo com os valores de que dispõe e com o prazo da retirada do dinheiro investido.

Ao juntar dinheiro para seu primeiro imóvel, não deixe de pesquisar pelas alternativas para descobrir quanto vai gastar com a aquisição. Não se esqueça de que, além do preço do imóvel, você deverá considerar gastos com impostos, documentação, cartório, decoração, entre outros.

Gostou das nossas dicas? Siga nossas páginas nas redes sociais e fique por dentro dos nossos conteúdos. Estamos no Facebook, no Instagram e no LinkedIn!

4 dicas de decoração pra deixar sua casa nova mais aconchegante

Você está prestes a morar no seu imóvel novo e procura dicas de decoração para deixar tudo como sempre sonhou? Fazer um projeto bem planejado e com a ajuda de um profissional deixará a sua casa muito mais agradável, aconchegante e harmônica, ou seja, perfeita para o seu dia a dia e para receber a sua família e amigos.

Quer uma ajuda com isso? Dá uma olhada nas 4 sugestões que apresentamos a você neste post. Assim, na hora de contratar o arquiteto ou designer de interiores, já terá uma ideia do que pode pedir a ele para deixar os ambientes mais funcionais e com o seu estilo.

1. Procure o estilo que combina com você

Há uma infinidade de estilos de decoração e, mesmo os mais tradicionais, acabam sofrendo a influência das tendências para cada época em que vivemos. Por isso, o ideal é que você faça uma boa pesquisa antes de determinar aquele que vai predominar no projeto de decoração da sua casa.

Você pode, também, conversar com o profissional que fará o seu projeto para entender melhor como misturar estilos sem perder a elegância e o conforto que espera ter em seus ambientes. Assim, escolherá os móveis de acordo com o que foi definido, buscando harmonia, mas sem com isso deixar de lado a criatividade. Veja quais são os estilos mais conhecidos:

  • clássico;
  • retrô ou vintage;
  • boho;
  • industrial;
  • rústico;
  • minimalista;
  • contemporâneo;
  • romântico;
  • asiático, entre outros.

2. Acerte na escolha de acessórios e objetos de decoração

A partir da definição dos estilos que serão usados nos ambientes da sua casa, será possível iniciar a compra dos objetos e acessórios que complementarão o visual. É importante saber usar a mistura de cores e estampas para que a decoração não fique carregada.

Uma alternativa interessante é verificar se os objetos que você já tem combinam com o novo planejamento. Caso contrário, ainda vale checar o que poderá ser aproveitado de forma diferente, com reformas ou customizações. Lembre-se de que almofadas, quadros, esculturas e cortinas ajudam a criar um ar mais aconchegante e personalizado.

3. Pense na funcionalidade dos móveis e na praticidade

Entre as dicas de decoração, talvez essa seja uma das mais importantes. No momento da escolha dos móveis, além de optar por aqueles que combinam com o estilo desenvolvido para o seu projeto, é importante que eles sejam funcionais e tragam praticidade ao seu dia a dia.

Procure aqueles que tenham materiais resistentes e que proporcionem versatilidade, ou seja, possam ser usados para diferentes finalidades. Nos cômodos menores, o ideal é optar pelos móveis planejados, assim como na cozinha e nos banheiros.

4. Deixe áreas livres para circulação

Por fim, nossa sugestão é que você evite deixar a casa muito cheia de móveis, que podem atrapalhar a circulação de moradores e de visitantes. Um exemplo disso é a sala de jantar. O ideal, nesse caso, é que as mesas e cadeiras tenham uma distância de, pelo menos, 80 centímetros da parede. Isso garante o conforto de todos, além da praticidade na hora da limpeza.

Com essas dicas de decoração, temos certeza de que você conseguirá trabalhar com mais tranquilidade no projeto. Não se esqueça de que o arquiteto ou o designer de interiores são profissionais qualificados, que ajudam a escolher os estilos que mais combinam com a sua personalidade e, inclusive, a encontrar móveis e objetos com melhor custo-benefício no mercado.

Gostou das nossas sugestões? Que tal continuar aprendendo sobre o assunto e ler nosso post com 4 dicas para decorar a fachada usando o paisagismo na frente da casa?

Veja aqui qual a documentação para construir ou reformar um imóvel

Por mais confortável que seja um imóvel, é natural que em algum momento ele precise passar por reformas para manter seu padrão de conforto. Antes de dar início a este tipo de obra, porém, o proprietário deve reunir os documentos para construir. Estas autorizações também se fazem necessárias quando o imóvel é edificado do zero.

Embora em um primeiro momento a tarefa de ir à prefeitura ou à organização responsável aparente ser um incômodo, ela foi instituída para garantir que a construção siga todas as normas referentes à segurança. Por esse motivo, ao deixar de lado as devidas autorizações, o proprietário se expõe a riscos e ainda fica sujeito a sanções emitidas pela fiscalização.

Levando esses fatos em consideração, é fácil entender a importância de seguir todos os procedimentos necessários para dar início a uma obra. A grande questão é, quais são eles? Continue a leitura e descubra a documentação exigida para construir e reformar imóveis!

Matrícula de imóvel

Imagine ter o trabalho de começar uma obra, levantar os alicerces e ver todos os trabalhos impedidos por um fiscal, que em determinados casos pode até mesmo aplicar multas? Uma pessoa que inicia a construção de um imóvel sem antes verificar no cartório se o terreno está habilitado para isso se expõe a este risco.

Para evitar esta situação, que além de atrasar a obra pode acarretar mais custos financeiros, é necessário, antes de qualquer coisa, verificar no cartório local se o terreno está devidamente registrado e conta com uma matrícula própria. Outra medida importante é verificar na prefeitura se o terreno tem alguma dívida com impostos como IPTU.

Projeto elaborado por profissionais qualificados

Embora não seja incomum no Brasil que reformas e construções sejam feitas sem um projeto elaborado por profissionais qualificados, tal atitude expõe os proprietários do imóvel a riscos, pois a obra segue sem um estudo detalhado de áreas vitais, como o solo e, em caso de reforma, a estrutura do imóvel pronto.

Além disso, o projeto é exigido por lei, de modo que qualquer indivíduo que toque uma obra sem ele está sujeito a sanções legais, como a aplicação de multas e até mesmo ao embargo da construção.

Portanto, antes de começar a construir ou a reformar um imóvel, o seu proprietário precisa contar com o auxílio de um arquiteto e de um engenheiro para emitir projetos como o de estrutura, elétrico e hidráulico.

Alvará da prefeitura

Quando falamos em documentos para construir, um dos mais importantes é o alvará emitido pela prefeitura. A autorização é obrigatória para qualquer tipo de obra, seja uma construção ou uma reforma.

Não são poucas as vezes em que, quando apenas mudanças serão feitas em um imóvel, seu proprietário decida tocar a obra sem qualquer projeto sem notificar a prefeitura de sua cidade. Faz-se necessário ressaltar, porém, que esta atitude está contra as normas legais e é passível de sanção.

A verdade é que mesmo reformas menores precisam de uma autorização conhecida como Alvará de Reforma Simplificada. Para que o documento seja emitido, o proprietário deve apresentar à prefeitura local um laudo assinado por um especialista devidamente registrado em seu conselho de classe, um arquiteto ou um engenheiro. O laudo em questão deve informar à prefeitura os objetivos da obra.

ART ou RRT

Como já foi citado, os serviços técnicos de um engenheiro e de um arquiteto são exigidos por lei em qualquer construção. Entre as prerrogativas desses profissionais, podemos citar a elaboração do ART e do RRT.

O ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) pode ser descrito como um documento que deve necessariamente ser emitido pelo Engenheiro Civil responsável pela obra. Apenas profissionais em pleno exercício da função, com registro ativo no CREA (Conselho Regional de Engenharia), podem emitir este documento.

O RTT (Registro de Responsabilidade Técnica), por sua vez, tem os mesmos efeitos do ART e na prática pode ser considerado o mesmo documento. A diferença é que sua emissão é feita pelo Arquiteto responsável. Apenas profissionais com registro ativo no CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) podem elaborar este documento.

Por meio do ART e do RRT, o cliente e profissional firmam um contrato que indica o responsável pela obra.

Normas da ABNT

Em abril de 2014 entrou em ação a norma NBR 16280.2014 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Esta norma, que tem o mesmo peso que uma lei, impõe uma série de requisitos e parâmetros para execução dos projetos de reforma, isso com a finalidade de tornar toda a operação mais segura.

Segundo a norma, qualquer tipo de obra feita no imóvel, que coloque em risco real sua estrutura ou a área em seu entorno, precisa ser analisada pela construtora, ou incorporadora, responsável pela construção até o vencimento da garantia. Deste momento em diante, a obra só poderá ser feita se receber um laudo técnico assinado por um engenheiro ou por um arquiteto.

Registro de imóvel

Depois que um imóvel é construído, seu proprietário precisa ir até a prefeitura solicitar a visita de um fiscal. Cabe a ele a tarefa de fiscalizar o novo imóvel e de verificar se sua construção seguiu as devidas normas de segurança. Se a obra é segura e foi executada segundo as normas, o fiscal emitirá o habite-se, um documento que também é conhecido como certificado de conclusão de obra.

Com o documento e a planta do imóvel em mãos, o proprietário precisa ir até o cartório local registrar que um novo imóvel foi edificado no terreno. Para finalizar o processo, depois de terminar o registro em cartório, o proprietário precisa voltar à prefeitura para receber o número de cadastro de seu imóvel.

Embora todo este processo burocrático aparente ser longo, ele se faz necessário para garantir a segurança dos proprietários do imóvel, em reforma ou construção, e também dos profissionais envolvidos nos trabalhos de edificação. Um meio de facilitar este processo é recorrer a uma construtora com expertise nesta área.

Gostaria de contar com apoio profissional para a emissão dos documentos para construir e ainda receber os serviços de engenheiros e arquitetos altamente qualificados? Entre em contato conosco e descubra as soluções da Misorelli Engenharia.  

Construir piscina: 4 dicas para não errar

O Brasil é um país tropical, de modo que tanto suas altas temperaturas quanto os efeitos causados por elas não são uma novidade para seu povo. Este calor, que perdura o ano inteiro, é como um convite para a realização de esportes e de atividades recreativas na água, um contexto que torna a prática de construir piscina bem difundida.

Embora boa parte dos brasileiros já tenham experimentado uma piscina, é comum que as dificuldades que envolvem a construção passem despercebidas a seus olhos. Infelizmente, esse erro pode causar uma série de problemas durante a obra.

Pensando neste problema, nós resolvemos criar este conteúdo com o conhecimento necessário para todas as pessoas que desejam construir uma piscina. Continue lendo o artigo e descubra 4 dicas incríveis para ter sucesso nesta tarefa!

1. Escolha o tipo mais adequado de piscina

Por mais óbvio que pareça, o primeiro passo a ser dado, para construir piscina, é escolher um modelo que de fato corresponda às necessidades de seus usuários. Neste momento, detalhes como a área de construção disponível e a quantidade de pessoas que devem utilizar a piscina com frequência são relevantes.

Além disso, é importante manter em mente os custos de construção. Via de regra, uma piscina mais convencional de 8x4m, com 1,40 de profundidade, costuma ter seu preço de edificação entre R$ 4 mil e R$ 8 mil.

Por fim, é válido ressaltar que o material que compõe a piscina tem grande influência sobre seu custo. Dentre os principais tipos de piscina disponíveis, podemos citar os seguintes:

  • piscinas de fibra de vidro;
  • piscinas de vinil;
  • piscinas de vidro.

2. Prepare a construção de acordo com o tipo de piscina escolhido

Uma vez que o tipo de piscina mais indicado é definido, o seguinte passo consiste em atender aos requisitos necessários para a construção. Estes requisitos tendem a mudar de acordo com o modelo escolhido.

A construção de uma piscina de concreto armado ou alvenaria, além da escavação, exige profissionais especializados neste tipo de obra. Uma piscina de fibra de vidro, por sua vez, já está pronta, de modo que será necessário contratar um profissional especializado apenas em sua instalação.

Por fim, um requisito comum para se construir piscina, independente do modelo, é a presença de um especialista, responsável pelo projeto, e de licenças que devem ser previamente emitidas pela prefeitura ou companhia de saneamento.

3. Considere o ambiente em que a obra será feita

Além do espaço, já mencionado neste artigo, é importante que a pessoa, que deseja construir uma piscina, verifique a qualidade do solo antes de iniciar a obra. Isso ocorre porque alguns tipos de solo, como o de áreas próximas a manguezais, podem encarecer e atrasar a construção.

Dependendo da situação, a implementação de medidas alternativas, como a construção de decks suspensos, pode ser a melhor opção.

4. Não deixe de lado o paisagismo

Por fim, é importante ressaltar que a construção de uma piscina, quando bem-feita, valoriza o imóvel. Por esse motivo é interessante que a obra seja vista como um investimento, e não como um custo.

Neste contexto, optar por um projeto paisagístico mais elaborado, que realce a beleza ambiente, além de tornar a área da piscina ainda mais bonita e relaxante, pode elevar o preço do imóvel, contribuindo para sua valorização.

Se levarmos em consideração o grande número de requisitos para que a construção de uma piscina seja feita corretamente, é possível notar que uma pessoa, sem a devida qualificação, poderia cometer uma série de erros, gerando problemas e prejuízos.

Portanto, é fundamental que os responsáveis, tanto pela obra quanto pelo projeto, tenham a devida capacitação e experiência.

Agora que você entende quais cuidados tomar para construir piscina, gostaria de ter acesso a mais informações úteis para seu dia a dia? Assine nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo relevante!