autogestao-de-obras-residenciais-6-erros-para-voce-evitar

Autogestão de obras residenciais: 6 erros para você evitar!

O senso comum nos diz uma coisa: obras residenciais dão trabalho! Reformar ou construir uma casa exigem do proprietário uma boa dose de paciência, planejamento e organização financeira. Se não for assim, a dor de cabeça pode ser grande.

Neste artigo, vamos abordar os 6 problemas mais comuns em uma autogestão de obra. A ideia é mostrar para você que existe solução para eles, desde que haja um bom gerenciamento da obra. Vamos lá?

1. Não ter um projeto ou planejamento

Logo no primeiro tópico você vai entender como é importante ter ao seu lado um profissional capacitado para as obras residenciais. É o engenheiro ou o arquiteto (ou ambos) que poderá fazer um planejamento mais claro da construção ou da reforma para garantir que ela não saia do controle e não traga problemas no futuro.

2. Falta de pesquisa dos fornecedores

Uma pesquisa profunda dos fornecedores para os materiais de construção e de acabamentos é fundamental para ajudar você a encontrar o melhor custo-benefício. Visite diferentes estabelecimentos e faça as contas. O ideal, quase sempre, é comprar tudo no mesmo lugar e ao mesmo tempo, para conseguir preços mais baixos, bons descontos e vantagens nas formas de pagamento.

3. Não ter profissionais capacitados

Esse item está diretamente relacionado ao primeiro. Se você não for engenheiro ou arquiteto, certamente terá dificuldades ao fazer o planejamento e organizar o cronograma em obras residenciais. Você verá que incluir a contratação de uma empresa especializada em seu orçamento poderá ajudar a reduzir os custos e ter um projeto mais bem elaborado, de acordo com as suas necessidades.

4. Orçamento mal definido

O orçamento das obras residenciais deve ser elaborado logo em seu início, na fase de planejamento. É preciso ter clareza sobre qual o total que você dispõe para gastar na construção ou na reforma, se vai usar algum tipo de financiamento e conversar com transparência com os profissionais envolvidos para garantir que eles não sejam ultrapassados.

5. Não lidar com a documentação

Aqui, cabem duas questões: a assinatura de contratos com todos os envolvidos e as documentações legais exigidas nas obras residenciais. No primeiro caso, é preciso garantir os seus direitos e os deveres dos contratados para que tudo saia de acordo com o combinado.

Já na questão legal, o ideal, mais uma vez, é que tudo seja combinado com o engenheiro responsável pela obra para que você não corra o risco de negligenciar documentos exigidos pela prefeitura, por exemplo, projeto hidráulico, alvarás, entre outros.

6. Não seguir as recomendações dos fabricantes

Fique atento para que os profissionais que atuam em sua obra atendam às recomendações dos fabricantes dos materiais escolhidos. Do contrário, você corre o risco de ter problemas importantes, que podem atingir a estrutura e até mesmo a fundação da sua casa. Essa atenção também evita situações como infiltrações, rachaduras e outras, que podem exigir um retrabalho, ou seja, mais gastos no futuro.

Deu para perceber que as obras residenciais serão mais bem administradas com o apoio de uma empresa especializada, não é mesmo? Pesquise no mercado uma construtora que tenha boas referências e experiência para ajudar você a lidar com todas as situações mais técnicas que envolvem a reforma ou a construção de uma casa.

Este artigo foi útil? Que tal, então, continuar aprendendo e ler o nosso post sobre as etapas de uma obra residencial?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *